Está a nascer um novo hospital em Angola

O programa de saúde reprodutivo em Angola tem vindo a sofrer algumas melhorias nos últimos anos, em grande parte devido aos compromissos governamentais com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS), que em parceria com entidades estrangeiras introduziram medidas de qualidade da saúde materno infantil no país.

Contudo, Angola, enquanto país em desenvolvimento, apresenta ainda algumas carências importantes relacionadas com os cuidados de saúde, sendo que as taxas de mortalidade infantil e infanto-juvenil atingem ainda números alarmantes. Segundo a OMS a cobertura médica no país é de 2 médicos para 100.000 habitantes.

Este projeto vem tentar responder às necessidades identificadas após diagnóstico de situação realizado na comuna do Gungo. Nesta Comuna, ao entrevistarmos parteiras e promotores de saúde, deparámo-nos com 44% de mortalidade neo-natal/infantil e 10% de mortalidade materna intra-parto, num período de 10 meses de registo. Isto espelha a realidade de uma região onde não existem cuidados durante a gravidez, assistência durante o trabalho de parto e cuidados neo-natais e infantis.